Pular para o conteúdo principal

Chá com poesia


Hoje no chá com poesia, trago para vocês um poema do período romântico  brasileiro. Estas linda palavras de Gonçalves Dias fala à respeito da espera de uma jovem indígena por seu amado "Jatir". A amorosa índia prepara o lugar com todo o cuidado e capricho, e espera por toda a noite, mas quando os raios de sol vai surgindo, percebe que seu amado não aparecerá.
 É um poema que merece ser apreciado com uma boa xícara de chá. O poeta trabalha mais uma vez com o indianismo e as belezas naturais brasileiras, fazendo você se transportar para o mundo belíssimo das florestas tropicais
. Então... Imaginem e aproveitem!



Leito de folhas verdes


Por que tardas, Jatir, que tanto a custo
À voz do meu amor moves teus passos?
Da noite a viração, movendo as folhas,
Já nos cimos do bosque rumoreja.

Eu sob a copa da mangueira altiva
Nosso leito gentil cobri zelosa
Com mimoso tapiz de folhas brandas,
Onde o frouxo luar brinca entre flores.

Do tamarindo a flor abriu-se, há pouco,
Já solta o bogari mais doce aroma!
Como prece de amor, como estas preces,
No silêncio da noite o bosque exala.

Brilha a lua no céu, brilham estrelas,
Correm perfumes no correr da brisa,
A cujo influxo mágico respira-se
Um quebranto de amor, melhor que a vida!

A flor que desabrocha ao romper d'alva
Um só giro do sol, não mais, vegeta:
Eu sou aquela flor que espero ainda
Doce raio do sol que me dê vida.

Sejam vales ou montes, lago ou terra,
Onde quer que tu vás, ou dia ou noite,
Vai seguindo após ti meu pensamento;
Outro amor nunca tive: és meu, sou tua!

Meus olhos outros olhos nunca viram,
Não sentiram meus lábios outros lábios,
Nem outras mãos, Jatir, que não as tuas
A arazóia na cinta me apertaram.

Do tamarindo a flor jaz entreaberta,
Já solta o bogari mais doce aroma
Também meu coração, como estas flores,
Melhor perfume ao pé da noite exala!

Não me escutas, Jatir! nem tardo acodes
À voz do meu amor, que em vão te chama!
Tupã! lá rompe o sol! do leito inútil
A brisa da manhã sacuda as folhas!











Gonçalves Dias (1823-1864) nasceu nos arredores de Caxias, no Maranhão, no dia 10 de agosto de 1823. Filho de um comerciante português e uma mestiça. Iniciou seus estudos no Maranhão e ainda jovem viaja para Portugal.  Em Coimbra, no ano de 1843, escreve seu famoso poema "Canção do Exílio". Foi poeta e teatrólogo brasileiro. É lembrado como o grande poeta indianista da geração romântica. Deu romantismo ao tema índio e uma feição nacional à sua literatura. É lembrado como um dos melhores poetas líricos da literatura brasileira.

Postagens mais visitadas deste blog

Melhores Séries, Trilogias e Sagas

As séries andam fazendo grande sucesso na literatura; podemos passar horas viajando neste mundo, assistindo as adaptações, e descobrindo as novidades! O grande diferencial das sagas é a sequencia, e por isto acabamos nos envolvendo de forma mais intensa,ficamos loucos pelos os laçamentos e passamos à ficar procurando por novas sagas!
Então o Mosaico de Livros separa aqui para vocês algumas das séries que andam tendo reconhecimento estrondoso entre os leitores. Neste clima de ferias escolha a sua, pegue os óculos, uma xícara de café e se aconchegue no sofá!



1- A Mediadora
A mediadora, escrito por nossa adorada Meg Cabot escritora da série de livros O Diário da Princesa.
Falar com um fantasma pode ser assustador. Ter a habilidade de se comunicar com todos eles então é de arrepiar qualquer um. A jovem Suzannah seria uma adolescente nova-iorquina comum, com seu indefectível casaco de couro, botas de combate e humor cáustico, se não fosse por um pequeno detalhe: ela conversa com mortos. Suzann…

Resenha- Os Miseráveis

Jean Valjean chega à cidade francesa de Digne. É um ex preso, que foi forçado por dezenove anos à um trabalho forçado por ter roubando um pão para alimentar sua família. Após tentativas fracassadas de procurar alguma hospedaria para se abrigar naquela França preconceituosa (Valjean é expulso até mesmo de uma casa de cachorro) desiste de procurar algum lugar e decide repousar numa praça; acontece algo espetacular. 
 Alguém lhe indica uma casinha onde poderia passar a noite; a casa do bispo Benvindo.
 O bispo é o amor em pessoa; recebe-o agradavelmente e com muita honra; após se alimentarem e conversarem um pouco foram repousar. Benvindo o convida para o café da manha e Valjean se encanta com tanta bondade, depois de ser tao humilhado na cidade, o infeliz se surpreende com a atitude do bispo, que nãodemonstrou nenhuma atitude de medo ou uma atitude maldosa, mas de apenas compaixão e amor.
 Porém, mesmo após ter recebido uma atitude tão nobre, Jean faz um ato vergonhoso com quem lhe trato…

Resenha - Como Vejo o Mundo

Eu não tenho palavras para Albert Einstein. A leitura de fácil compreensão e as ideologias propostas conseguem deixar qualquer um empolgado com o livro.  Reconhecido por seu pacifismo e preocupação com o bem comum, neste livro Einstein oferece uma profunda reflexão sobre a nossa própria existencia.   Mas como evidências valem mais que opniões; eu trouxe aqui um trecho do livro que achei bem curios: o seu ponto de vista sobre a riqueza.  "Todas as riquezas do mundo, ainda mesmo nas mãos de um homem inteiramente devotado à ideia do progresso, jamais trarão o menor desenvolvimento moral para a humanidade. Somente seres humanos excepcionais e irrepreensíveis suscitam idéias generosas e ações elevadas. Mas o dinheiro polui tudo e degrada sem piedade a pessoa humana. Não posso comparar a generosidade de um Moisés, de um Jesus ou de um Gandhi com a generosidade de uma Fundação Carnegie qualquer."
COMO NÃO CONTINUAR LENDO?!  Ele faz também referência às religiões. Uma refêrencia que se …