Pular para o conteúdo principal

Jane Austen


"A escrita de uma vida" é um momento para falarmos um pouco sobre a vida e as obras de nossos escritores favoritos.
Vou contar para vocês como surgiu a ideia, tudo começou de uma brincadeira, eu tenho aspirações a escritora sou uma pessoa muito sensível, então a Mariana me disse que eu pareço com a Jane Austen pode acreditar! Eu fiquei empolgada com a ideia, pesquisei sobre a vida pessoal da Jane suas obras, e foi dai que veio a inspiração.
A Jane é minha escritora favorita, quem acompanha as minhas postagens já deve saber, meu livro favorito é Orgulho e preconceito foi amor a primeira leitura, na verdade eu gosto de todos, mas orgulho e preconceito é a grande obra da Jane na minha opinião.


Quem foi Jane Austen ?

Jane Austen nasceu a 16 de Dezembro de 1775 em Steventon perto de Basingstoke. Era a sétima criança da família e a segunda filha do casal Reverendo George Austen e Cassandra Leigh. Teve cinco irmãos e uma irmã, Cassandra, a sua melhor amiga. Sobre a sua educação sabemos que sabia cantar, tocar piano e falar Francês e Italiano. Desde tenra idade que Jane mostrou o seu afeto por livros, um gosto que o seu pai apoiou fortemente. Aos treze começou a escrever pequenas histórias de humor, incluindo paródias a romances populares. Por volta dos vinte e cinco já tinha criado rascunhos daquilo que viria a ser Sensibilidade e Bom Senso (com o título Elinor and Marianne), Orgulho e Preconceito (primeiramente chamado de First Impressions) e Abadia de Northanger (com o título Susan).  Em 1801 a sua família mudou-se para Bath, onde ficaram até à morte do pai, em 1805. Este foi um período pouco dado à escrita para Jane Austen uma vez que ela detestava Bath. Em 1809, Mrs. Austen e as suas duas filhas voltaram para Hampshire e tomaram residência em Chawton. Jane voltou a escrever e deu forma final aos seus primeiros romances. Escreveu também os seus últimos três romances, O Parque de Mansfield (1814), Emma (1816) e Persuasão, que foi publicado postumamente em 1818 juntamente com Abadia de Northanger. Durante a sua vida, ela publicou os livros anonimamente, usando apenas a frase – Por uma Mulher. O seu nome só veio a ser, mais tarde, publicado em edições.

Jane Austen retratou com toques de ironia os costumes da sociedade de sua época.
Jane Austen nunca casou. A sua vida, contudo, não foi desprovida de amor. Muitas das suas cartas foram queimadas depois da sua morte por Cassandra, mas daquelas que ficaram, somos informados de que em 1796 ela teve um breve romance com Tom Lefroy, um advogado irlandês. Ela sabia, todavia, que seria de curta duração, uma vez que a família dele esperava que ele casasse com alguém com dinheiro. Cassandra mencionou uma vez um jovem padre por quem Jane se apaixonou, mas que infelizmente morreu. Cassandra descreve-o como uma das pessoas mais encantadoras que ela alguma vez conheceu. Aos 27 anos, Jane aceitou uma proposta de casamento de Harris Biggwithers (de 21 anos), um herdeiro rico, cuja família era íntima dos Austen, mas mudou de ideias no dia seguinte.

“Em vão tenho lutado comigo mesmo; nada consegui. Meus sentimentos não podem ser reprimidos e preciso que me permita dizer-lhe que eu a admiro e amo ardentemente.” -  Orgulho e Preconceito.
Ela gostava muito do sossego, da família e da vida do campo. Ela pertenceu a uma grande família e viveu sempre rodeada de irmãos, sobrinhas e sobrinhos. Cassandra também nunca casou. A mãe de ambas dizia que “aquelas duas estão casadas uma com a outra”.
Em 1816 diagnosticaram a Jane a doença de Addison, mas este fato não a impediu de continuar a escrever. Ela terminou Persuasão e enquanto pode segurar um lápis escreveu outro romance, inacabado, chamado inicialmente – Os Irmãos, e mais tarde, Sanditon. Ela morreu nos braços de Cassandra a 18 de Julho de 1817 em Winchester, para onde foi levada em Maio do mesmo ano para estar mais próxima do médico. Ela está enterrada na ala norte da nave da Catedral de Winchester. O seu epitáfio escrito pelo seu irmão James, elogia as suas qualidades pessoais, expressa esperança na sua salvação e menciona a dádiva extraordinária da sua mente, mas não refere claramente os seus feitos como escritora.

Jane Austen escreveu sobre aquilo que conhecia melhor, o cotidiano da classe média. Os seus trabalhos são uma representação irônica e perspicaz da sua Era, caracterizados por realismo, uma crítica social e um uso extraordinário da língua inglesa. Ela é hoje em dia considerada uma das escritoras inglesas mais lidas e com mais sucesso.


Para quem se interessar tem um filme baseado na biografia de Jane Austen, eu não fazia ideia da existência do filme, com minhas pesquisas fiz esse achado, confesso que  estou muito curiosa para assistir o filme se chama Amor e inocência.

"1795. Jane Austen (Anne Hathaway) tem 20 anos e começa a se destacar como uma escritora. Enquanto ela está mais interessada em desvendar o mundo, seus pais querem que ela logo se case com um homem rico, que possa assegurar seu status perante a sociedade. O principal candidato é o sr. Wisley (Laurence Fox), neto da aristocrata Lady Gresham (Maggie Smith), mas Jane se interessa é pelo malandro Tom Lefroy (James McAvoy), cuja inteligência e arrogância a provocam."



Eu recomendo para vocês está biografia da Jane Uma Memoria de Jane Austen. Considerada a mãe de todas as biografias de Jane Austen, esta obra escrita pelo sobrinho da autora, retrata a intimidade da escritora mais querida de todos os tempos. James Edward conviveu com a tia na infância e a biografia traz os registros de suas reminiscências e de outros parentes. Jane Austen irmã, tia, filha, amiga e escritora. Uma biografia completa e emocionante.



Falar sobre a Jane é incrível estou amando saber um pouquinho mais sobre a vida dela, eu gostaria de ter encontrado alguns fatos como por exemplo qual era sua cor favorita, eu tenho quase certeza que era azul, o poeta favorito dela, pelos livros podemos suspeitar que é Shakespeare, mas infelizmente não encontrei esses pequenos detalhes sobre a Jane.

Para concluir eu espero que vocês tenham gostado da postagem, pois eu amei, fiz tudo com muito carinho e dedicação para abrir com chave de ouro o nosso momento  A escrita de uma vida, até a próxima deixem seus comentários. 


Posso imaginá-la com os dedos sujos de tinta pensando o que irá escrever no próximo paragrafo.

Postagens mais visitadas deste blog

Melhores Séries, Trilogias e Sagas

As séries andam fazendo grande sucesso na literatura; podemos passar horas viajando neste mundo, assistindo as adaptações, e descobrindo as novidades! O grande diferencial das sagas é a sequencia, e por isto acabamos nos envolvendo de forma mais intensa,ficamos loucos pelos os laçamentos e passamos à ficar procurando por novas sagas!
Então o Mosaico de Livros separa aqui para vocês algumas das séries que andam tendo reconhecimento estrondoso entre os leitores. Neste clima de ferias escolha a sua, pegue os óculos, uma xícara de café e se aconchegue no sofá!



1- A Mediadora
A mediadora, escrito por nossa adorada Meg Cabot escritora da série de livros O Diário da Princesa.
Falar com um fantasma pode ser assustador. Ter a habilidade de se comunicar com todos eles então é de arrepiar qualquer um. A jovem Suzannah seria uma adolescente nova-iorquina comum, com seu indefectível casaco de couro, botas de combate e humor cáustico, se não fosse por um pequeno detalhe: ela conversa com mortos. Suzann…

Resenha- Os Miseráveis

Jean Valjean chega à cidade francesa de Digne. É um ex preso, que foi forçado por dezenove anos à um trabalho forçado por ter roubando um pão para alimentar sua família. Após tentativas fracassadas de procurar alguma hospedaria para se abrigar naquela França preconceituosa (Valjean é expulso até mesmo de uma casa de cachorro) desiste de procurar algum lugar e decide repousar numa praça; acontece algo espetacular. 
 Alguém lhe indica uma casinha onde poderia passar a noite; a casa do bispo Benvindo.
 O bispo é o amor em pessoa; recebe-o agradavelmente e com muita honra; após se alimentarem e conversarem um pouco foram repousar. Benvindo o convida para o café da manha e Valjean se encanta com tanta bondade, depois de ser tao humilhado na cidade, o infeliz se surpreende com a atitude do bispo, que nãodemonstrou nenhuma atitude de medo ou uma atitude maldosa, mas de apenas compaixão e amor.
 Porém, mesmo após ter recebido uma atitude tão nobre, Jean faz um ato vergonhoso com quem lhe trato…

Resenha - Como Vejo o Mundo

Eu não tenho palavras para Albert Einstein. A leitura de fácil compreensão e as ideologias propostas conseguem deixar qualquer um empolgado com o livro.  Reconhecido por seu pacifismo e preocupação com o bem comum, neste livro Einstein oferece uma profunda reflexão sobre a nossa própria existencia.   Mas como evidências valem mais que opniões; eu trouxe aqui um trecho do livro que achei bem curios: o seu ponto de vista sobre a riqueza.  "Todas as riquezas do mundo, ainda mesmo nas mãos de um homem inteiramente devotado à ideia do progresso, jamais trarão o menor desenvolvimento moral para a humanidade. Somente seres humanos excepcionais e irrepreensíveis suscitam idéias generosas e ações elevadas. Mas o dinheiro polui tudo e degrada sem piedade a pessoa humana. Não posso comparar a generosidade de um Moisés, de um Jesus ou de um Gandhi com a generosidade de uma Fundação Carnegie qualquer."
COMO NÃO CONTINUAR LENDO?!  Ele faz também referência às religiões. Uma refêrencia que se …