Pular para o conteúdo principal

O Mercador de Veneza - Shakespeare



Nem que eu usasse todos os adjetivos da língua portuguesa eu não conseguiria descrever a grandiosidade das obras shakespearianas, O Mercador de Veneza não é exceção; afinal, Shakespeare é Shakespeare. Vamos à obra! 
  Quando a li, estava relendo Romeu e Julieta, ou seja, as duas leituras estavam sendo apreciadas ao mesmo tempo. Entretanto, como já conhecia a história de Romeu e Julieta (há alguém que não conheça?) a minha curiosidade era redobrada para O Mercador de Veneza. E se eu tivesse que usar uma palavra para definir esse livro seria: REFLEXÃO.
 Os livros do escritor inglês são fontes de muito conhecimento e ideias inspiradoras, mas hoje aqui, no Mosaico de Livro quero trabalhar uma especial com vocês: JUSTIÇA.
 Vou dar-lhes uma breve apresentação da história.
 Antônio, um mercador de Veneza (?) é o "avalista" de Bassânio em um empréstimo de dinheiro para que este pudesse se casar com Pórcia, uma rica herdeira. O dinheiro é emprestado por Shylock, um mercador judeu. A história é recheada de muitos outros detalhes interessantíssimos, mas vou me limitar a esses para não estragar muito a história de um futuro leitor. 
 O judeu estipula um prazo para que Bassânio pague a dívida, caso não seja atendido a recompensa será uma libra de carne de Antônio. Essa recompensa é baseada em um ódio que um nutre pelo outro, afinal, o que uma pessoa teria a ganhar com uma libra de carne humana?  Muito sinistro, não?
Bassânio consegue o casamento com Pórcia, entretanto, não antes do prazo dado por Shylock, fazendo então com que o mercador pedisse a prisão de Antônio, para que pudesse posteriormente cobrar a libra de carne. 
O caso vai à justiça, e no ápice do julgamento quando os leitores já julgam o ato consumado eis que surge... Pórcia! Não como a herdeira bela, rica e noiva de Bassânio. Ela agora está transfigurada em um homem que jugará o caso. O que a faz tomar tal atitude é o fato de Antônio não ser apenas o avalista de seu noivo, mas também o melhor amigo. O amor que ela sentia pelo o noivo a fez tomar uma atitude que salvaria uma pessoa estimada por ele. E ela fez, fez muito bem feito.
 Novamente me limitarei em dar mais detalhes. Vocês terão que ir atras de Pórcia nos livros, e valerá a pena. Descobrirão até mesmo a relação de Mercador de Veneza com O Auto da Compadecida.
Nessa altura do campeonato, ela é a idealização da mulher perfeita; sua inteligencia é inquestionável.  
Agora vamos nos empenhar diretamente nas noções de justiça da trama, que sob meu ver, mostrando a relação entre política e religião se torna o ponto mais reflexivo da história. Let's go!
Partiremos de duas noções de justiça na história: a do judeu, e a de Pórcia. Para compreender melhor segue abaixo um trecho do julgamento:

"A qualidade da clemência é que ela não seja forçada; cai como a doce chuva do céu sobre o chão que está debaixo dele; é duas vezes bendita; bendiz ao que a concede e ao que a recebe. É o que há de mais poderoso naquele que é todo-poderoso; assenta-se melhor do que a coroa no monarca sentado ao trono; o cetro bem pode mostrar a força do poder temporal; o atributo da majestade e do respeito que faz os reis temerem e tremerem. Porém, a clemência está acima da autoridade; tem seu trono nos corações dos reis, é um atributo do próprio Deus e o poder terrestre se aproxima tanto quanto possível do poder de Deus, quando a clemência tempera a justiça... Rogamos para solicitar clemência a este mesmo rogo, mediante o qual a solicitamos, a todos ensina que devemos mostrar-nos clementes para com nós mesmos."

 Um fato importante para compreender o que irei propor a seguir é o papel da religião na época. Lembrando que Shakespeare era do século XVI, nesse período a Europa passava por um momento de transformações provocado pelo fim da Idade Média. A contraposição do  catolicismo com o judaísmo era, no entanto, bastante vigente no cotidiano. Por um lado temos a justiça estrita firmada por um judeu; por outro, uma "maleável" defendida por católicos. 
 Shylock crê de que a justiça deve ser realizada com extremo rigor e sem flexibilidade. Para Pórcia, ela deve basear-se na integridade acompanhada de ponderamento. No tribunal, ele não desiste de sua ambição firmada em  um ódio religioso, exigindo a sentença do juiz. Pórcia, disfarçada com trajes masculinos tenta remediar a situação, propondo até mesmo que Bassânio pague o dobro da divida, não move o firmamento da decisão do cobrador. Como lido no parágrafo, Pórcia se apoia na justiça vinculada à clemência, argumentando que "nenhum de nós encontrará a salvação com a estrita justiça", indo de encontro à Shylock. 
Em um mundo dos séculos finais da Idade Média e inicio da Idade Moderna notamos com essa obra que a justiça trabalhava em conjunto com os interesses religiosos; mesmo se divergindo entre as distintas ideias das diversas religiões.

 O livro está disponível gratuitamente em forma de PDF na internet, mas você poderá comprar o físico em qualquer livraria. A leitura de um livro jamais poderá ser subjugada à uma sessão de um filme, mesmo este contando com um excelente elenco; mas para os interessados há uma adaptação contanto com a presença de Al Pacino, Jeremy Irons, Joseph Fiennes e Lynn Collins pela direção de Michael Radford. 
Espero que tenham gostados, até a próxima!

Postagens mais visitadas deste blog

William Shakespeare

Um gênio da literatura, mundialmente conhecido, um dos escritores mais famoso do mundo e o mais apaixonado, criador dos mais belos sonetos da língua inglesa, desde pequenos ouvimos falar sobre ele, em filmes, livros, revistas e jornais, nos encantamos por suas obras, são fascinantes simplesmente apaixonantes. Eu realmente gostaria de saber se William de fato amou alguém como ele descreve, poderia um homem amar desta forma? Ainda não sei essa resposta talvez nunca saberei, mas sei que vou acreditar ser possível, pois as obras de William são compostas com uma profunda paixão da qual nunca vi em outro escritor, William ainda dá preciosos conselhos para a vida em outras obras.
O que mais posso dizer sobre este escritor genial que conquistou o mundo com suas obras poéticas e apaixonadas, sou grande fã dele assim como a Jane Austen, Sigmund Freud, Goethe e o brasileiro Machado de Assis.

Biografia resumida e obras 

Shakespeare é considerado um dos mais importantes dramaturgos e escritores de to…

Melhores Séries, Trilogias e Sagas

As séries andam fazendo grande sucesso na literatura; podemos passar horas viajando neste mundo, assistindo as adaptações, e descobrindo as novidades! O grande diferencial das sagas é a sequencia, e por isto acabamos nos envolvendo de forma mais intensa,ficamos loucos pelos os laçamentos e passamos à ficar procurando por novas sagas!
Então o Mosaico de Livros separa aqui para vocês algumas das séries que andam tendo reconhecimento estrondoso entre os leitores. Neste clima de ferias escolha a sua, pegue os óculos, uma xícara de café e se aconchegue no sofá!



1- A Mediadora
A mediadora, escrito por nossa adorada Meg Cabot escritora da série de livros O Diário da Princesa.
Falar com um fantasma pode ser assustador. Ter a habilidade de se comunicar com todos eles então é de arrepiar qualquer um. A jovem Suzannah seria uma adolescente nova-iorquina comum, com seu indefectível casaco de couro, botas de combate e humor cáustico, se não fosse por um pequeno detalhe: ela conversa com mortos. Suzann…

Primavera

Então a primavera chegou abra as janelas e deixe que ela entre, sinta o aroma das flores que percorre o ar, se deleite com as cores vivas das pétalas que apenas a primavera pode proporcionar. Este breve instante da natureza  nos faz apaixonar pela vida, seja bem vida primavera, traga seu encanto e beleza.
Estamos muito felizes e empolgadas com esta estação magica, somos apreciadoras do desabrochar das flores, para celebrar a estação vamos sugerir livros, para ler, apreciar e curtir durante esses dias floridos, sugerimos que antes de ler a postagem assistam este vídeo a primavera de Vivaldi, para entrarem no clima. 

Primavera de Vivaldi 



Ola! Leitores do Mosaico, como foi dito anteriormente vamos indicar alguns livros para lerem nesta estação, eu Thais vou indicar os cinco livros a baixo e a Mariana os próximos cinco, pois esta é uma postagem em conjunto acho que já percebem que fazemos postagens em conjunto de vez em quando. Então minha proposta de leitura é algo leve e romântico, são liv…

Resenha - The Kiss of Deception

As crônicas de amor e ódio, é um dos melhores livros de fantasia que eu li recentemente, a história me surpreendeu bastante, para ser sincera eu esperava apenas um romance modesto, no entanto o livro é além disso, além da fantasia temos muita aventura, ação e um romance que te deixara apaixonado pelos personagens.
Pode-se levar anos para moldar um sonho, mas é preciso apenas um segundo para despedaçá-lo."
A autora Mary E. Pearson me ganhou por utilizar elementos previsíveis para criar uma trama inteligente, mágica, cheia de manipulações políticas e focada no amadurecimento de seus protagonistas. Fazia tempo que não lia algo tão grandioso e apaixonante.
 Eu sabia que o livro se passa em um ambiente medieval e  indicado para fãs de Game Of Thrones estava esperando uma narrativa mais histórica e romântica. Mas, para minha surpresa, esse livro trouxe um equilíbrio entre esses dois gêneros de forma arrebatadora. "Tudo parecia perfeito, um verdadeiro conto de fadas menos para a pro…

Chá com poesia - Dia dos Pais

Hoje no Chá com Poesia é oferecido ao leitor três poemas belos, dóceis, e inspiradores; não por acaso, escolhidos para o dia de hoje. Hoje, no segundo domingo de agosto, é  dia não apenas de fazer a ligação, entregar presentes, mandar mensagem, ou fazer surpresas, é dia de reforçar aquele amor... Aquele que brota ao primeiro olhar, ao primeiro abraço, é aquele amor... paterno! Três poemas para refletir, amar e recitar... Feliz Dia dos Pais!
Ser Pai
Ser pai é acima de tudo, não esperar recompensas.
Mas ficar feliz caso e quando cheguem.
É saber fazer o necessário por cima e por dentro da incompreensão. 
É aprender a tolerância com os demais e exercitar a dura intolerância
(mas compreensão) com os próprios erros.
Ser pai
é aprender errando, a hora de falar e de calar. 
É contentar-se em ser reserva, coadjuvante,
deixado para depois. Mas jamais falar no momento preciso. 
É ter a coragem de ir adiante, tanto para a vida quanto para a morte.
É viver as fraquezas que depois corrigirá no filho, fazendo-s…